14/03/2017

Cartas Contemporâneas - Um amor possível? V

O medo de perder transformou-se em desespero!
Falar sobre sentimentos pode ser algo muito difícil. Principalmente se a pessoa acostumou-se a não dizê-los. Mas quando se adquire confiança em relatar o que se sente, as palavras correm fluidas e difícil mesmo, é calá-las. 



 Ler CARTAS anteriores: Carta ICarta IICarta IIICarta IV


Oi, Jú!


Não faz besteira, Júlia! Por favor! Não se envolve com um cara qualquer, você tem noção do quanto é preciosa? Desculpe a letra tremida, quase não consigo escrever, a caneta está pesada.
Ignora a parte das cartas onde eu dizia que sei que não posso tentar fazer com que você volte. Ignore, porque eu vou lutar por esse amor, Jú! Por favor, me dá ao menos essa chance de tentar lutar por você. Não limite as minhas esperanças! Não é legal planejar a vida com alguém que não possa ajustar-se para merecer um coração como o seu. E eu estou disposto.
Não é que eu queira ser amado somente. Eu também quero amar. Estou disponível em me abrir para isso. Mas tem que ser você, Júlia! Não alguém como você, porque essa comparação não existe, eu conheço muitas pessoas. Trabalho com gente e você é única!
E também não é que eu queira mudar por você. Eu quero mudar com você! É diferente. Assim como você pode continuar a aprender comigo. Mas eu também aprendi muito com você! Estamos mais maduros, éramos muito jovens e eu não tinha noção do que era um relacionamento sério e nem do quanto isso poderia valer a pena.
A sua visão do que aconteceu conosco foi formidável! Eu não teria chegado nesse pensamento de jeito nenhum... Não conseguiria estruturar esse aprendizado de forma tão positiva e significante. Você sempre vai ver o lado bom das coisas.
As pessoas não consertam nada mais hoje em dia. Tudo tornou-se descartável. Os relacionamentos, as pessoas... Assim como eu, você deve ter ouvido muitas vezes para seguir sua vida, e isso é o certo! Mas se tivermos a oportunidade de reparar nossos erros é ideal que possamos fazê-lo. No entanto, eu percebo que de ambas as partes ainda existe sentimento, embora você seja esse doce de pessoa com todos a sua volta e isso não é um privilégio só meu. Não estaria aqui insistindo se não houvesse ponderado que podemos ser felizes juntos ainda.
Me dê a chance de refazer a nossa história? Não me encontre no que gosto, mas me dê o gosto de te encontra novamente.
Júlia, eu sou um homem de palavra e se eu não viver para que se sintas a mulher mais especial do mundo, eu quero ser lobotomizado! Meu conhecimento, meu ceticismo, tudo o que me define não vale nada perto da possibilidade de te ter de volta. Eu preciso de você assim como os rios precisam das águas. Isso é tão brega! Mas eu prometo pensar em algo melhor. Júlia, me diz o que eu preciso fazer pra que me dês uma oportunidade de te ver. Preciso vencer um duelo, matar um gigante, atravessar vales, escalar torres, conseguir o coração de um dragão? O que eu tiver que fazer eu faço.
Júlia, Júlia... Eu não conseguia dizer antes porque nunca fomos dessas coisas. Eu te amo! Atende minha ligação, marca um encontro comigo, eu digo isso olhando nos teus olhos sem receio algum. Talvez suando bastante, mas digo. Escrevo no muro da minha casa, faço uma tatuagem (você não iria querer isso, iria?) dizendo que você é a mulher da minha vida. Faço até declaração pública em um estádio de futebol, escreveria cartas tão lindas, seria um cara tão romântico que até Shakespeare teria inveja do meu romantismo. Júlia... Esses romances que você lê, serão meras histórias perto da história que eu estou me comprometendo a escrever ao teu lado.
Eu nunca quis me envolver com ninguém porque era disso que eu tinha medo. Dessa dor horrenda do amor. Eu nem sabia que isso existia de verdade. E agora eu sinto, porque cada célula do meu corpo se agita sentindo a sua falta. Eu não sou insubstituível, eu sei! Não quero que você pense que estou sendo pretensioso ou algo assim... Só me dá uma chance. Por favor! Só uma! 
Você me conhece, conhece a minha família, já me amou uma vez e pode ser que ame novamente. Se não sentisse mais nada, não se daria ao trabalho de responder as minhas cartas. 
Júlia esse texto mal escrito, sem parágrafos, mal pontuado, repetitivo é desespero! Você não tem as nossas fotos! Estou mandando a que mais gosto pra você lembrar que a gente pode tentar novamente. Jamais brincaria com teus sentimentos, jamais pediria algo tão importante no calor da emoção, apesar de eu não estar conseguindo refletir direito:


Júlia, casa comigo? 

Fonte: Elmundo.com




__________________________________________________________

  
Curiosidades: 
As faces de Pedro e Júlia foram ilustradas pelos atores Berta Vázquez e Mario Casas. Eles são os protagonistas do filme: Palmeiras em La nieve. Um drama baseado em fatos reais com uma história forte e marcante. Tão rica quanto bela e emocionante. Os atores foram namorados por um tempo.
A ideia das cartas surgiu após a leitura do livro de Eça de Queiroz: Cartas d’Amor.
As cartas de Pedro e Júlia vão continuar no wattpad, e você não tem noção do que ainda vai acontecer com eles. Assim que postar lá, faço uma postagem aqui informando. Obrigada!

13/03/2017

Cartas Contemporâneas - Um amor possível? IV

Ainda que no passado os desarranjos tenham sido mais presentes que os acordos, o tempo para o acolhimento dos sentimentos foi extremamente necessário. Fantasiando ou revelando desesperanças... As cartas contêm sonhos, saudades, confissões, desabafos, ressentimentos e mágoas, mas pela insistência de ambos e a densidade expressiva nas palavras, certamente podemos denominá-las como CARTAS DE AMOR.


Atriz Berta Vázquez


Ler CARTAS anteriores: Carta ICarta II e Carta III



Olá, Pedro! Tudo bem?


Desculpe pela demora! Eu li e reli várias vezes sua carta. Eu nem sei como começar... Esperei tanto pelo dia em que você se derramaria assim. Sempre quis muito voltar atrás, te rever, te procurar, te ligar... Nunca pensei em te escrever. Mas tudo me travava.
Que bom que você percebeu meu desabafo, eu realmente precisava falar tudo aquilo. Fiquei engasgada por muito tempo. Eu fiquei mais surpresa com a sua correspondência, do que com a conta de luz. rs
O que me fazia permanecer ao seu lado era a minha ilusão de encontrar nos teus olhos a certeza de que bem lá no fundo eu era importante na sua vida ainda que você não conseguisse expressar com palavras. Essa certeza se esvaía assim que suas atitudes, ou a falta delas me provavam o contrário. Você diz que descobriu essa importância agora, e eu não quero acreditar em você. Mas não consigo não acreditar! Suas palavras dissipam qualquer resistência. até porque eu percebi sinceridade nelas. Sinto-me lisonjeada por suas palavras, Pedro! Mais uma vez agradeço, agora com sinceridade, por perceber, apontar e descrever minhas qualidades. Se bem que você exagera... rs Eu estava certa! Você tem um coração! Que maravilha saber disso!
Fico realmente feliz por você tentar domar esse seu gênio. Eu sabia que você não era o que demonstrava ser. Uma pena você ter revelado essa parte mais bonita tanto tempo depois.
Eu entendo que queira mudar, porque você mesmo se prejudica sendo assim. E o fato das coisas não estarem indo bem, também ajudam, pois, a gente passa a refletir sobre a vida quando algo começa a dar errado. Eu sinto muito pelas coisas estarem indo mal no seu trabalho. Não tenho ideia de como melhorar isso e, agora talvez não seja a hora, porém, o meu conselho seria para você desacelerar um pouco a frequência com a qual trabalha. Eu nunca falei isso, porque você não me ouviria, mas você dorme muito pouco, se preocupa demais e esse é um dos motivos de viver tão estressado. Quase não tinha tempo livre, trabalhava aos finais de semana, não tirava férias. Como que alguém pode viver assim? Isso é altamente prejudicial. Você pode ficar doente.
Eu li direito? Você citou Deus? Eu não consegui parar de rir. Empaquei nessa parte.
Tens receio de demonstrar seus sentimentos, de parecer vulnerável, por isso você se fechou nessa caixa. Isso é um medo de demonstrar suas fraquezas, de parecer bobo, sei lá. Até o seu foco no trabalho, nos estudos, é uma fuga. Agora eu entendo! Eu li sobre isso. Você se afasta das pessoas e faz com que elas se afastem de você. E o seu jeito rígido e antipático assim tão extremo é uma espécie de proteção.
Você não errou sozinho. Eu também te sufoquei um pouco com os meus ciúmes e fazia algumas coisas só pelo prazer de te ver irritado mesmo. Seu sorriso é bonito, mas você sério era um... Não sei definir! Não sei... Você ficava com as veias saltadas, aquela cara de que o mundo estava acabando e inferia leves toques com a ponta do polegar no queixo, xingando umas coisas incompreensíveis. No ápice da sua irritação você deixava de falar comigo. E eu, brincava com o cão! Eu não parava, Pedro! Conseguia te irritar ainda mais até que você se afastava e eu ficava rindo. Aquilo me deixava louca! Porque você se "vingava" das minhas implicâncias da forma mais gostosa possível. Eu amava! Gostava quando você ficava desconcertado com meu olhar e o meu toque, gostava de te deixar vulnerável com a minha voz no seu ouvido. Desculpe me lembrar disso! Já passou!
Também agradeço demais por me permitires saber que minhas atitudes te ajudaram na sua reflexão e tentativa de praticar boas ações e reparação dos erros. Isso é muito bacana! Na verdade você já está se mostrando diferente. Quando que você se imaginaria sentar e investir tempo escrevendo uma carta a alguém?
A primeira lição que vou te dar (estou me sentindo uma professora), vai ser a seguinte: Não se agradece nenhuma conquista a uma pessoa que nunca viu. O que foi aquele agradecimento de formatura? “Eu agradeço a Schopenhauer pela ajuda em meu desenvolvimento intelectual e blá, blá, blá...” Jurava que esse nome era como você chamava o seu pai, ou algo assim. Depois que sua mãe ficou rindo de você na volta para casa que eu fui pesquisar na internet e entendi que Schopenhaeuer era um filósofo que morreu em 1860. Eu morri com aquilo, Pedro! Que ridículo! Na boa... Você não existe!
Talvez sua relação não seja muito boa com a sua mãe, mas a gente agradece mesmo pelas pequenas coisas: Ela te gerou, te amamentou, viu você dar os primeiros passos, te colocou na escola pra você fazer uma das coisas que você mais gosta na vida que é estudar. Olha que legal? Seus professores, por exemplo, te auxiliaram nos estudos, te indicam livros do seu interesse, eles são os mediadores entre você e o conhecimento, ou seja, são pessoas reais com as quais você tem relações reais!
Não sou a única pessoa que te amou, sua mãe sempre falou de você com muito carinho. Sua avó disse uma vez que você era a criança mais linda que ela já viu e se tornou um homem maravilhoso. Ela só não lembrava o seu nome. Se você se desse o privilégio de estar com elas mais vezes do que poderia e gostaria, saberia o quanto é amado.
Eu tive uma amiga que quando perdeu a mãe, disse que se arrependia imensamente de não ter feito o possível para estar ao lado dela em todos os momentos. Portanto, vá nas bodas! Deixe-a perceber que você está cuidando dela, você sempre vai ter mais importância na vida dela do que o atual marido dela, Pedro! Pare com esse ciúme infantil!
As pessoas me acham muito otimista, mas sabe o que eu vejo agora? Que o nosso relacionamento foi uma experiência que deu certo, apesar de ter acabado. Sim! Veja bem... Eu cresci, amadureci e aprendi muito com a forma não tão agradável de como ele terminou. E você conseguiu enxergar que necessita mudar, que não pode viver só pra si mesmo. Acredito que reconhecer os erros, já foi o primeiro passo.
Conforme você mesmo disse, todos temos algo para melhorar em nós mesmos. Você ressaltou meu altruísmo, Pedro! Mas às vezes eu não consigo pensar em mim mesma. Eu não consigo fazer algo por mim, comprar algo só pra mim, tem que ser para os outros. Por exemplo, às vezes eu anulava o que eu queria para te fazer feliz, abria mão das minhas vontades para que pudéssemos cumprir a sua. Isso não é bom! Isso não é uma relação saudável!  É claro que em alguns momentos temos que ceder, mas eu cedia sempre!
Eu sempre coloquei o coração em tudo, mas existem algumas situações que é imprescindível que ajamos de forma mais racional. Devemos buscar o equilíbrio em todas as coisas. O meu maior problema é que eu esperava que você fosse como eu. E ninguém pode ser como eu. Eu sou um modelo exclusivo! Haha! Não! Sério! O que a gente precisava, na época, era aprender a lidar com nossas diferenças, dialogando sobre elas.
Compreendo que se eu quiser fazer algo de bom por alguém, tenho que entender que nem sempre aquilo vai retornar para mim, por isso, tenho que ser o que sou sem me importar como os outros agirão ou responderão. Fazer o bem por uma recompensa ainda que essa recompensa seja o carinho, admiração ou o amor de alguém, não é ser boa de verdade, é ser carente. Nem todo mundo consegue ser grato. Às vezes se faz o bem e recebe em troca a ingratidão, entretanto, a ingratidão de uma pessoa, não pode paralisar as boas ações de uma outra. Se a solidariedade ou uma atitude positiva foi feita esperando um retorno, seja lá que tipo de retorno se esperou, então na verdade, não se fez pelo outro, mas por si mesmo. 
Lógico que em toda relação há uma troca e eu fui autêntica com você, mas eu esperava algo de você que nunca iria vir, mas mesmo assim eu me desdobrava para chamar sua atenção.
Outra coisa que é importante frisar, é que não é bacana imaginar a sua vida ao lado de quem já não está mais nela. Principalmente se você já tem alguém em sua vida. Na primeira carta você disse que tinha uma namorada e que ela era tão distante quanto você é, ou era não sei. Estou confusa! Na segunda, você disse que pensava em mim e fantasiava sua vida comigo. O fato é que se você não gosta do jeito dela, tenta encontrar uma pessoa que você possa gostar. Você é um homem lindo, inteligente, vai conhecer uma mulher super especial que vai estar disposta a te fazer feliz assim como eu estive. 
Eu fui obrigada a apagar tudo o que me lembrava você. Você não utiliza as redes sociais, e nem tinha como eu ficar te encontrando nas fotos, porque, a cada vez que eu olhava, sentia um aperto muito grande no peito e uma vontade imensa de te abraçar.
A única forma que eu achei que poderia te esquecer mais rápido, era apagando todos os vestígios de quando eu estive com você. Só que a memória é traiçoeira, não é?
Então eu lembrava da forma nada poética que você tentava explicar o amor, eu nem sabia quem era Nietzsche e também odiava aquele pessimismo dele nas frases que você vivia citando, mas uma vez eu senti muita saudade sua e me vi lendo um treco lá que ele escreveu. 
Era assim que eu te encontrava, Pedro. Naquilo que você gostava. No amor que você mantinha pelos estudos. Eu passei a ler Spencer, Sapir... Continuava sendo chato, mas era a forma de eu ter contato com você. Era ali que eu te via, naquilo que sempre teve a ver com você. E eu passei a entender tanta coisa a partir do que eu lia, eu aprendi tanto... Eu aprendi com você mesmo você estando longe. Eu li os artigos que você publicou, eu via os filmes que você me indicou, você ainda fazia parte da minha vida de alguma forma. E imaginar que eu não tinha o mesmo valor, a mesma importância ou que eu não lhe fazia falta, era muito doloroso.
Por isso, te agradeço por você agora insistir em dizer que eu sou especial pra você. Você também é muito especial pra mim, Pedro. Estamos ligados por nossos profundos aprendizados. Pelo desenvolvimento que permitimos nos dar um ao outro através dessa troca na nossa relação. Nossas diferenças fizeram diferença na nossa vida. E eu amei aprender com você. Eu acho que agora estou sendo a Júlia das qualidades que você ressaltou. Eu não tenho condições de esquecer você, Pedro! Claro que podemos ser amigos!
Agradeça a sua mãe o convite, mas pede para ela colocar um outro convidado no meu lugar. Vou tentar enviar um presente, por tanto você não precisa vir. Não acho legal receber um ex-namorado agora que estou conhecendo outra pessoa e me envolvendo cada vez mais com ela. Desculpe!
Lógico que te perdoo! E também peço perdão! Fique bem!



Com admiração...

Sua amiga Júlia

__________________________________________________________


Para ler a carta de Pedro, a última do Blog: Clique aqui!

11/03/2017

Arte e eu

Imagem de Katsiaryna Pleshakova


Eu sou feliz! Juro! Quer dizer... Não o tempo todo. Mas se tem algo que sei fazer é sorrir com gosto e amar sem medo. Sem medo, é mentira! Às vezes tenho medo de amar demais, mas esse medo não paralisa meu sentimento, mas uma coisa eu tenho que confessar: Eu nunca tive apego à vida!
A maturidade foi o maior presente que ganhei. A cada ano, a vida vai te presenteando um quilo a mais de sabedoria e um quilo a mais de responsabilidades. Eu acho que é isso o que significa o termo: O peso dos anos.
Estar mais madura me possibilitou uma consciência ampla sobre minhas próprias competências e amenizou o duro julgamento que eu atribuía sobre mim. Também me trouxe mais confiança e extinguiu a necessidade de aceitação alheia sobre as minhas produções, além de ampliar minhas expectativas em relação aos meus desejos pessoais.  
A minha maior defesa contra as epidemias psíquicas é a contemplação da criatividade alheia. Aliás, Rollo May, o psicólogo existencialista em seu livro: “A coragem de criar”, ressalta que a criatividade é o combustível da arte e que sem a arte a gente não conseguiria resistir às loucuras desse mundo turbulento.
Eu nunca quis viver aqui para sempre. Ambiciono algo muito maior e eterno. E todas as vezes que eu me deparo com a dor eu penso sempre no dia em que nada mais disso vai existir.
Parece utópico, mas de uma coisa eu tenho certeza... Qualquer forma de expressão humana me faz querer viver aqui para sempre, porque é o que me liberta, me eleva, me felicita e faz o meu coração pulsar. Só diante da arte eu me condoo pela vida terrena não ser eterna.

06/03/2017

Cartas Contemporâneas - Um amor possível? III

“Pessoas muito racionais, rígidas, trazem dentro de si sentimentos de fracasso e impotência, porque a exigência que o mundo racional faz é a do não erro. Mas, é por intermédio do erro, do experimento, das possibilidades de tocarmos outras perspectivas, que poderemos nos superar e sermos mais alegres com a vida.”
(Marisa Esperanza)


Ler CARTAS anteriores: Carta ICarta II 


Ator Mario Casas

Oi, Júlia! Bom saber que você está bem!


Perceber a alteração da doçura com a qual você sempre me tratou, para uma forma mais ríspida doeu de uma maneira imensurável, além de ter me angustiado muito.
Contudo, saber que cooperei muito para ser digno de seu desprezo me deixa mal, pois, eu não tinha o direito de agir daquela forma com uma pessoa como você. No entanto, eu sei que és uma pessoa bem melhor que eu, e que na verdade, não deve me odiar tanto assim. Não seja cruel, por favor! Não seja! Você não é assim.
Porém, você também tem defeitos, não tem? Apesar de não serem aquelas coisas fúteis que eu apontava e de seus defeitos serem insignificantes em relação à grandeza do seu caráter, não significa que não os tem, ou que não tenha algo que necessite melhorar em si mesma. O fato de seres uma pessoa maravilhosa e com muitas qualidades, não anula o fato de que és humana. E se reparar bem o mundo em que vive, existem mais Pedros do que Júlias. Eu sou um cara comum, que reflete as mórbidas relações do nosso tempo. Sua personalidade que é atípica e peculiar.
Você me conhece um pouco melhor do que qualquer pessoa nesse mundo e sabe que jamais diria que derramei lágrimas se elas realmente não houvessem caído, jamais pediria perdão se não estivesse de fato arrependido. 
Eu nunca soube ser gentil, carinhoso, romântico, nunca soube valorizar a família, nunca conservei amizades, não aprendi nada disso. Eu odiava quando você me chamava de velho carrancudo. Eu queria ser diferente, eu tentava ser diferente, mas não conseguia. Ou talvez eu não achasse que mudar fosse necessário.
Também sinto imensamente por fazer você se sentir insuficiente para estar ao meu lado quando na verdade era o contrário. Eu que não era digno de conviver com o anjo que é você. Eu sei que não tenho mais o direito de pedir pra você voltar pra mim, e eu nem sei se tenho condições de te ter, pois, sou um ogro. Como você mesma disse, somos muito diferentes! Mesmo se eu tivesse tido condições de ser uma pessoa melhor para você na época em que estávamos juntos, ainda com a nossa forma tão distinta de enxergar e lidar com as questões da vida... Será que nosso relacionamento seria um amor possível?
Bem, eu não tenho essa resposta. Portanto eu não carrego esperanças, só fantasias e me contento em lhe pedir que me dês ao menos o privilégio de ter uma amizade como a sua por perto.
Compreendo a resistência apresentada em sua carta e lhe dou todo o tempo do mundo para que absorvas o que eu estou lhe pedindo. Mas pelo amor de Deus! Não me deixe viver sem que eu possa testemunhar a beleza dos teus atos. Esse tempo sem você foi necessário para que eu refletisse sobre a minha existência.
Eu demiti um cara do auxilio de limpeza fazia um ano e meio, da pior forma possível e fui me desculpar com ele. Tentei trazê-lo de volta, apesar de não ter como pagá-lo mais, estamos indo mal, Júlia! Muito mal! Você nem imagina. Mas felizmente ele já tinha outra ocupação. Veja bem, só por pensar em sua vida, eu tento ser bom. Imagina o quão melhor eu poderia ser se pudesse aprender pela observação das tuas ações? Um reforço vicário, entende? Olha... A empresa está vivenciando a crise, meu telefone não para de tocar e a cada toque eu sei que é o Alysson me trazendo novos problemas. Mas, nada que eu vivencie me tira o sono, porque antes de dormir eu fantasio a minha vida com você estando nela novamente e é o que me faz dormir em paz. Te juro! 
Acordar é que tem sido desesperador! Meus dias sempre foram sombrios e desde que você se foi, eles se tornaram assombrados. Eu lembro desse dia como se fosse ontem. Você cruzou a porta, e eu, com todo o meu orgulho jamais imaginei que aquela atitude tão sutil fosse definitiva. E acredite! Eu fiquei paralisado no sofá reconstituindo a tua fala na minha mente até que o dia clareou e eu precisei me arrumar para ir trabalhar.
Eu não tinha ainda dimensão da dor que eu iria sentir por sua falta, porque no fundo, eu imaginava que irias repensar o que disse e me procurar. E quando eu dei por mim que isso não iria ocorrer, eu passei a repensar nas vezes eu que eu lhe imputei duro julgamento. E passei a cogitar que jamais voltarias e a minha ficha demorou a cair. Eu fiquei tentando buscar em minha memória o motivo de você ter me deixado, porque na minha mente, eu não era um namorado assim tão ruim. Só depois de muito tempo que eu passei a refletir sobre as minhas atitudes e, foi difícil demais constatar que o erro estava em mim, que o erro era meu, que o erro era eu!
Mas essa culpa, essa dor, essa saudade não passam nunca. A única coisa que passou foi meu orgulho. Entende agora que estou confessando o meu orgulho?
Eu sinto falta do seu cuidado, do seu carinho, de ser amado! Confesso! Também passei a te valorizar depois que perdi. Verdade! Mas não é só disso que eu sinto falta. Eu sinto falta da Júlia! E da alegria que você tem e que é tão sua...
Desculpe manchar sua visão sobre os relacionamentos tendo sido seu primeiro namorado. Você também foi a minha primeira namorada! As outras eu trazia para minha casa, mas só você entrou na minha vida, ainda que muitas vezes eu mesmo tenha lhe fechado a porta dos meus sentimentos. Eu não sei falar sobre eles. 
No primeiro momento que te vi, te quis somente pela sua beleza e quando tive, não soube valorizar. E mesmo quando você se mostrou uma mulher diferente, não só das que eu já havia conhecido, mas das que existem nesse mundo, eu não soube fazer de tudo para não perder você.
Eu errei muito e apesar de almejar transformações bruscas na minha forma de lidar com as pessoas, não sei se essas transformações seriam capazes de acontecer, mas de uma coisa eu tenho certeza. Eu já mudei um pouco. Eu chego em casa e olho nossas fotos, visito seu canal, tento cozinhar alguma daquelas receitas que você gostava de fazer quando estava aqui... Eu me sinto um adolescente. Eu nunca agi assim.
Eu sou implacável na retórica, razoável na escrita. Estou tentando ser o mais simples possível para que você acredite em mim. Eu demorei muito para conseguir te escrever daquela primeira vez.
Talvez eu não mereça seu tempo, porém, se você puder gastar alguns segundos para escrever meu tão esperado “Te perdôo”, eu ficaria muito aliviado. Seria ideal que eu pudesse ouvir estas palavras pelo som da sua voz, Júlia.
Eu não consigo parar de escrever. Vou fazer o que sempre fiz de melhor. Vou ser prático. Soube que minha mãe casou ano retrasado, não é? Eu não fui porque eu não suporto aquele cara, entretanto, para lhe mostrar que apesar de não saber se conseguira, estou disposto a mudar, quero lhe fazer um convite: As bodas de algodão da minha mãe acontecem dia 24 de julho e ela ficou de lhe enviar um convite por correio. Eu irei se você puder confirmar sua presença. Por favor, me permita ir à sua casa lhe entregar o convite pessoalmente?

Pedro

02/03/2017

Cartas Contemporâneas - Um amor possível? II

Esqueça as antigas cartas de amor cheias de fantasia! 
Em "Um amor possível?" experiências e lembranças de 
um relacionamento são contadas através de cartas
 trocadas  por seus personagens de uma forma muito real.  
Pedro afirmou que Júlia o tratava com bom humor e leveza. 
Características que podem se modificar ao longo do tempo, 
principalmente após um relacionamento que não terminou bem, 
por isso,  talvez essa menina leve e bem humorada 
não existam mais para ele. Se bem que...  
Pedro pediu perdão por sua conduta irascível 
e na verdade, o tempo cura tudo, não é?



Para ler a carta de Pedro à Júlia clique aqui. 



Foto meramente ilustrativa - Atriz Berta Vázquez




Oi! Estou bem, Pedro!


Muita gentileza da sua parte me escrever ressaltando minhas qualidades e pontuando os seus erros e defeitos, embora felizmente isto não seja mais necessário. Eu já consegui me livrar da culpa de não ser boa o suficiente para você.
Sabe Pedro, eu te achava um homem maravilhoso! Inteligente, sábio, estudioso, super focado no trabalho... Eu amava a sua sinceridade e até a sua seriedade. Somos tão diferentes! Eu sempre fui muito agitada, brincalhona, sensível... Você desaprovava a maioria das minhas atitudes com a expressão mais impaciente que podia forjar. Eu me sentia tão estúpida... Com um tempo de relacionamento, eu comecei a sufocar quem sou, a fim de tentar caber no seu mundo “perfeito” e racional. Nunca consegui.
Fico grata por seus elogios quando me dizes que fui muito inteligente por ter te deixado, mas na verdade, não te abandonei porque cansei. Só deixei você, por imaginar que eu nunca iria ser capaz de te fazer feliz. Eu não me sentia digna e nem a altura do homem que eu amava.
Só muito tempo depois que nós terminamos, eu percebi – isso levou vários meses – que meu amor por você não era recíproco e eu parei de me culpar e passei a compreender que o motivo das suas reclamações e da sua distância não era o que eu fazia ou o que eu deixava de fazer e sim o seu desprendimento de todos que te rodeiam e fazem parte da sua vida. Não era somente eu a única refém do seu egoísmo.
 Espera! Eu disse nós terminamos? Eu quis dizer, eu terminei. Porque na época estar ou não comigo, parecia não fazer diferença alguma para você.
Bem, os vídeos que eu posto no meu canal são tão importantes a mim, quanto os contratos que você assina na sua empresa. Você podia ter respeitado mais esse meu hobby, que agora têm me rendido lucros, e cresce a cada dia mais com algo que você conhece muito bem. Publicidade, investimento, compromisso e qualidade.
Só pra você saber... Eu nunca lia seus livros. Só falava sobre eles porque pesquisava as resenhas. Contudo, eu não fazia isso somente para te impressionar, era pra conversar sobre assuntos dos quais você gostava. Porque tudo girava ao seu redor. Eu, inocente, ia abrindo mão de mim para me voltar apenas àquilo que era só seu. Eu gosto de romances, Pedro! Ro-man-ces! Pronto! Está feliz? E dane-se a opinião nunca pedida que você me dava sobre o meu gênero preferido. Você precisa aprender a respeitar as diferenças. Eu nunca reclamava dos seus gostos e das suas manias... Pelo menos não tanto quanto você reclamava das minhas.
O que você precisa é de um psicólogo! Ou de um professor de geografia que te ensine que existem muitos outros planetas maiores que a Terra dentro da nossa galáxia, e muitas outras galáxias bem maiores que a nossa Via Láctea, por isso, é ideal que você repense, descubra ou invente um significado para a sua existência que seja maior ou melhor do que preocupar-se com o que as suas namoradas leem, e saber disso também te ajuda a entender que você não é o centro do universo. Viu como meu interesse pelos astros não se resume ao horóscopo?
O que me fazia ponderar se o nosso relacionamento realmente valia a pena, era o fato de eu me iludir achando que bem lá no fundo você me amava, embora não conseguisse demonstrar, e também o vínculo que eu conservava com a sua família. Que sempre me acolheu. Aliás, eu nem poderia falar “sua” familia... Você nunca foi próximo a ela. Estranho você citar a sua avó e meu afeto para com ela... Me diz no que a forma de eu tratar a sua avó lhe trouxe boas recordações, Pedro? No velório dela você nem esteve presente... Eu conhecia a sua avó há 6 anos e você a conhecia há 25. Sim, você é um babaca! Fico feliz que tenha reconhecido.
Poderia pedir pra você mandar um abraço a todos, mas você não irá vê-los tão cedo. Eu tenho contato com alguns pelas redes sociais. Inclusive com o Hugo com quem eu troco dicas de sagas e trilogias sobre os melhores contos fantásticos do mundo. Engraçado você me perguntar se eu me lembro dos seus parentes, eu não sei é como você ainda não os esqueceu.
Tenho certeza que você e essa tal de Ana só se viram poucas vezes, pelo fato dela não ter paciência de estar com você. A única idiota que te aturava, tolerava e aceitava sua frieza, era eu. E deve ser por isso que você me escreveu. Eu sempre fiz o que você queria, o que você gostava, o que você pedia... O que dizer da Ana que nem conheço, mas já considero tanto? Ela sim sabe conviver com a muralha intransponível dos teus sentimentos. Eu não sou assim, Pedro! Eu quero a pessoa por inteiro, mesmo sabendo que ela precise de um tempo só para ela, e para vivenciar a sua própria individualidade, mas se você pretendia estar só, qual foi mesmo o motivo de ter iniciado um namoro comigo? Eu entendia que você não conseguia se abrir comigo sobre seus problemas, mas não precisava se fechar para mim sempre que eu tentava falar dos meus.
Você foi o meu primeiro namorado. A pior experiência da minha vida! Manchou por um tempo a minha visão sobre os relacionamentos. Também demorou um tempinho para que eu abandonasse a visão de limitação que eu tinha sobre eu mesma e que você ajudou a construir erroneamente.
Não, Pedro! Eu não me importava com seus testes estúpidos para medir a minha inteligência, não me importava com a quantidade de vezes que você reclamava de eu ser atrapalhada, de deixar seu quarto bagunçado, de não devolver seus livros, apesar de não os ter lido. O que eu nunca entendi foi sua incapacidade de responder minhas mensagens e demonstrações de carinho. A sua indiferença para comigo é algo que não tenho como esquecer. Isso me matava por dentro. Mas agora não faz diferença pra mim também!
Você não é só frio, todos os seus relacionamentos são superficiais e cheios de protocolo. És tão sensível como uma pedra, portanto, não force dizer que tem lágrimas nos olhos quando pensa em mim, porque é uma mentira evidente. Por isso, não perca seu tempo se esforçando em me desejar o melhor. Não se preocupe comigo! Se ocupe com aquilo que sempre foi prioridade na sua vida. Você mesmo! Sucesso!

Júlia Barcellos

27/02/2017

Conto de J. L. Lunewalker - Rasga-Mortalha




Conto: Rasga-Mortalha 

Autor: J.L. Lunewalker




Para mim a criatividade humana é uma das atividades cognitivas mais incríveis. Criatividade me lembra arte, arte me lembra literatura, que tem a palavra como matéria-prima. A literatura é uma das artes que mais me encanta. 
J. L. Lunewalker é um escritor super criativo. Conseguiu prender-me à sua narrativa utilizando-se de uma fluidez magnífica na escrita.
O conto é cheio de suspense e os elementos narrados por Lunewalker são tão bem elaborados e nos possibilitam construir em nossa imaginação as cenas descritas de forma tão real como se estivéssemos assistindo uma cena de um filme, ou algo assim... Isso é tão divertido! rs
O que eu mais apreciei no conto, foi a capacidade de seu autor em aproximar da realidade o relato do narrador-personagem, com sua forma de descrever ações costumeiras do cotidiano.





O mistério que envolve o conto é tão empolgante! Como não se trata de uma narrativa muito longa, lemos em poucos minutos e surge um desejo de que haja uma continuação, ou um novo conto com novos e arrepiantes casos. O final é surpreendente! 
Minha admiração pelo blog do autor, e por sua criatividade revelada em sua forma de escrever, ficarão eternizadas. 
Eu não conhecia a lenda da rasga-mortalha, e através do conto eu fui pesquisar sobre ela e achei muito interessante.




CONHEÇA A LENDA QUE INSPIROU O CONTO


A Rasga-mortalha é uma coruja que tem fama de trazer maus agouros. Seu nome científico é Tyto furcata. Encontrada mais facilmente no norte e nordeste do Brasil é conhecida por vários outros nomes como Suindara, Coruja-da-igreja, Coruja-das-torres, etc. Segundo a lenda, quando a ave passa por cima de alguma casa soltando um ruído semelhante a um pano sendo rasgado, é sinal de morte. Ou seja, acredita-se que algum morador da casa, irá falecer em breve.
A lenda surgiu por causa de uma jovem chamada Suindara que tinha uma pele alva como a da coruja. Ela era filha de um feiticeiro. Suindara namorava o filho de uma condessa que não aprovava o namoro e então criou um plano para matar a moça. A jovem foi morta por um dos empregados da condessa e em seu túmulo, foi esculpida uma coruja. Quando o feiticeiro, pai de Suindara descobriu quem matou sua filha, foi até seu túmulo, lançou um feitiço de forma que o espírito da moça passasse para a escultura fazendo com que ela criasse vida.
Assim, a coruja possuída pelo espírito de Suindara sobrevoou por toda noite à casa da condessa que foi encontrada morta com todas as suas roupas rasgadas. Assim surgiu a lenda. 



E o que Lunewalker realizou com essa lenda? Um conto super criativo! Para conferir... Clique aqui. Boa leitura!